17 novembro 2009

Comrades, quando o sonho escapa!!

Li este relato no site da Comrades e o coloquei aqui, estamos acostumados a ler relatos de pessoas que conseguiram esta ou aquela proeza, dificilmente alguém escreve sobre seu insucesso, isto é, se pode chamar a luta deste indiano Amit Shet, que tentou a Comrades em 2009, e não conseguiu a tão poucos quilometros da chegada, ele disse que volta em 2010, inclusive é o embaixador da Comrades para a India.

Relato muito emocionante, dificil pra mim, que sou apaixonado pela Comrades e corridas, ler, sem me emocionar.Consegui me sentir no lugar dele, e doeu..

Como Kabelo (um dos cantores mais populares da África do Sul) disse às crianças no Dia Nacional da Juventude antes da Comrades: "Vocês são todos vencedores, porque você correu a sua corrida. Os perdedores são aqueles que não estavam na linha de partida ". No dia da corrida, mais de 12.800 corredores. Nós não sabemos de um corredor que parou e voluntariamente e se aproximou e sentou-se em uma das vans e foi levado de volta para Durban.
Sabemos de vários corredores, que nos pontos de controles (cut offs) encontrou o caminho bloqueado por um funcionário CMA que fechou a estrada para aqueles que não podiam fazê-lo após o ponto no tempo designado terminou de maneira prematura o fim da Comrades 2009 para alguns, mas nós confiamos que você estará de volta para terminar o que começou. A dor sentida pelos corredores que não cometeu esses offs corte foi melhor expressa por um corredor novato da Índia que escreveu;
"No dia Comrades, a 51 km, pela primeira vez na minha vida, eu tive cólicas. Doeu tão de repente e tanto que eu pensei que iria cair. Eu sabia que nesse ponto que a Comrades tinha acabado pra mim. E lembrei do meu filho dizendo-me há dois dias no quarto de hotel "papai você tem de terminar ". Eu recordava exatamente recordar da sua voz, seu rosto, como ele ficou quando ele disse estas palavras. Eu prontamente comecei a chorar naquele momento na estrada.
Com 11:20, eu estava no km 82,5 e deveria atingir o cut-off dos 83km (a prova termina nos 89km), a van chegou perto de mim e uma gentil senhora me pediu para entrar. Havia apenas um lugar no interior, o ônibus estava cheio de outros corredores, eu sentei lá e logo em seguida e logo em seguida pegamos um outro corredor que dormia no chão, a van tinha cerca de 9 nós, lá dentro estava quente e fedendo a vomito . O cheiro era tão forte que eu pensei que poderia desmaiar ou cair no chão, então eu perguntei a ela por um saco plástico, felizmente eu não vomitei. Em seguida, ela arrancou a metade inferior do meu numero onde meu nome foi escrito e em seguida, colocou uma cruz com um marcador preto, então ela pediu que eu me curvar para a frente e colocou outra cruz no meu numero que estava nas costas. O cara sentado ao meu lado disse que veio de Joanesburgo e não podia acreditar que isso estava acontecendo com ele. Eu não lhe disse que eu tinha vindo da Índia. A van nos deixou na entrada dos fundos do estádio.


Quando entrei pela porta dos fundos, eu fiquei momentaneamente cego pela luz. O primeiro cara que eu vi quando entrei estava deitado na grama verde, com muita dor agonizando. Não havia médicos em torno dele e pensei: 'ele não deve ter terminado a corrida ", mas depois eu vi a medalha ao pescoço. Então, de repente, percebi que havia milhares de pessoas, todos com medalhas em torno de seu pescoço. Eu tentava encontrar a tenda internacional onde minha família estaria me esperando. Olhei as barricadas e pude ver a reta final onde o corredor deveria passar pelos tapetes de cronometragem. Esse solo sagrado. Quando entrei na tenda internacional, um senhor mais velho veio até mim e perguntou onde eu encontrei a manta de alumínio, ele estava tremendo, ele tinha uma medalha no pescoço. Até aquele momento eu só tinha pensado na corrida que eu não tinha conseguido terminar, eu não tinha ainda pensado que outros tinham conseguido terminar.

Lamento por não ter tido presença de espírito para lhe dar o meu cobertor. Então Aryan, meu filho veio e me abraçou, então Namrata, minha filha, e, em seguida Neepa minha esposa, todos eles tinha lágrimas em seus olhos. No dia seguinte a Comrade, todos no lobby do hotel estavam vestindo a camisa da Comrades e mancando. Minhas pernas estavam doendo um pouco, mas de algum modo eu senti que eu não tiinha o direito de vestir esta camisa ou caminhar mancando. Lembro-me que o livro que li quando criança, "O emblema vermelho da coragem", acho que tinha de ganhar este direito de mancar.
Eu quero dizer-lhe que, embora eu não consegui terminar naquele dia, eu não iria querer estar em qualquer outro lugar que não fosse naquela estrada neste dia tão especial. Que dia fantástico! Acho que se nós pudéssemos viver tão intensamente cada dia como eu fiz naquele dia, nós teríamos muito mais de em nossas vidas. Mais tarde, a caminho da baia St Lucia no carro, eu escrevi no meu bloco de telefones: "O desafio da distância é como o desafio da própria vida, a luta para correr mais e mais e ir além de uma zona de conforto. E não pode haver nenhum desafio sem a possibilidade de fracasso. É nesse momento de tempo, quando você está correndo na estrada, cansado e ferido, quando os dados não são manipuladas em seu favor, quando o resultado é incerto e desconhecido que você se sente realmente e verdadeiramente vivo "
Eu acho que, embora eu estava cansado e sofrendo, eu estava realmente vivo e eu nunca estava sozinho. Eu tenho uma grande família e grandes amigos corredores. Vou conseguir no próximo. por Amit Sheth "

6 comentários:

Felipe Taves Barreto disse...

Sensacional este relato. Um dia também quero fazer esta corrida!

Gentil Jorge Alves Junior disse...

Sergio, eu me emocionei tambem.
Estive lá, voce sabe. E quero retornar. Sem duvidas, é a maior ultra do mundo. Talvez não em dificuldade, mas em numero de pessoas, em festa, em lagrimas, em numero de povos. Não irei em 2010 mas 2011 estarei la de novo para fazer cortejo pro Nato Amaral - primeiro green number brasileiro.
espero ter a honra de te-lo a meu lado nessa prova meu amigo. E te digo o que me disseram lá. Que a Africa pega um pedaço de nos nessa corrida e voce fica ligado a ela para sempre.
SHOSHOLOZA!!!!!!!!

Ésio Cursino disse...

Sérgio também fiquei emocionado e quando comecei a correr o meu objetivo principal é de me preparar para ir para a Comrades. O nome do blog Maratonista Camarada foi inspirado na Comrades. Este ano não foi possivel ir porque não estava ainda preparado mas em 2011 e 2012 com certeza estarei la e espero encontra-lo tambem.

Gustavo Abade disse...

Caro Sergio,
Eu me chamo Gustavo (amigo do Gentil) e no ano de 2010 vou estrear na Comrades, adorei o relato, e serviu como mais um aprendizado.

AlexanderGN disse...

Fantástico... de fazer lágrimas escorrerem de meoção...acho que essa busca pelo limite tenue entre a incerteza do sucesso e o sucesso faz tudo valer a pena...pick stage.. no limiar da adreanalina...

03o4v7dk3u disse...

I lost extra money enjoying in} slots using my player's card than not using my player's card. Ask yourself how casino commercials or movies show the slot machine landing on 777 or one other jackpot while filming? I have have} sat subsequent to older individuals than myself many times and noticed the player subsequent to me barely tapping the play button in the course 카지노사이트 of the brief time we had to play.