21 outubro 2009

Apesar das três mortes na Maratona de Detroit, corrida, fatalidades são raras

Geralmente corrida é um momento de celebração, pessoas que superam seus desafios, realizam seus sonhos, tive a chance de fazer 5 Maratonas, e pretende fazer muitas, quem sabe me tornar um Vovocop, e quando fizer os meus 80 anos, ainda continuarcorrendo. Coloquei as fotos deles, para não serem apenas numeros, são pessoas como nós, Rick Brown, 65, Daniel Langdon, 36 e Jonathan Fenlon, 26,


Tudo é suposição, é muito triste a morte destes três corredores na ultima edição da Maratona de Detroit. Queira que as pessoas continuem praticando atividades físicas, mas nunca esquecendo que tem seu preço, claro que prefiro tombar nos fins dos meus dias numa prova do que que morrer num sofá, mas queira Deus que este dia demore.
Traduzi (dentro do possível) este texto dos sites CNN e completei com o do Examiner, por acha-los extremamente útil para nós, corredores, quer seja de uma Maratona, uma meia ou até os 5km. Quando não se esta bem (conforme o texto as vezes até se esta), pode-se morrer até sentado na cadeira balançando as pernas..

Três corredores morreram durante a maratona de Detroit, no domingo. Apesar de que a notícia é chocante e assustadora para os corredores e não-corredores, tais mortes são raras, dizem os especialistas. Maratonas são seguras para a maioria, mas alguns atletas podem ter uma doença cardíaca subjacente, dizem os médicos.
Maratonas são seguras para a maioria, mas alguns atletas podem ter uma doença cardíaca subjacente, dizem os médicos. "Entre os jovens de ensino médio e os atletas da faculdade, há uma morte a cada 200.000 pessoas [durante o exercício em geral]," diz o Dr. Paul Thompson, diretor de cardiologia no Hospital Hartford, em Connecticut. "Para os idosos, há cerca de uma morte em cada 15.000 pessoas. Se você olhar para as pessoas que realmente se exercitam, a taxa de mortalidade é menor ainda." Na verdade, outras atividades podem ser mais perigosas do que correr uma maratona. "Morrem mais pessoas por relâmpagos enquanto jogam golfe," diz o Dr. William Roberts, um professor de medicina familiar e saúde comunitária da Universidade de Minnesota, e diretor médico do Twin Cities Marathon. "E é provavelmente mais seguro correr uma Maratona do que dirigir um carro, levando em consideração o número de mortes por acidentes de trânsito." Os três homens que morreram na corrida de domingo tinham excelente saúde e eram treinados para terminar a corrida, segundo relatos da imprensa. Tinham 26, 36 e 65 anos de idade. Dois desmaiaram entre quilometros 18 e 20, o terceiro acabara de cruzar a linha de chegada da meia-maratona. As autópsias foram agendadas para determinar as causas da morte, mas as autoridades suspeitam que os três morreram de parada cardíaca. Duas outras corridas foram notícia nos últimos meses, após alguns corredores morrerem: Duas pessoas morreram no final do Rock 'n' RollHalf Marathon em San Jose, Califórnia, e uma pessoa morreu na Maratona de Baltimore. "Quando estas coisas acontecem, elas chamam a nossa atenção", diz Thompson. "Mesmo se você estiver em boa forma, não é nenhuma garantia que nada acontecera" Quem está em risco? Pessoas que tem mais risco de ter parada cardíaca durante o exercício extenuante são aqueles que têm problemas cardíacos subjacentes, mas não sabem disso. Às vezes, eles têm anormalidades cardíacas, que podem estão presentes desde o nascimento. "Com os jovens é congénito", diz Thompson. "O coração eh muito grosso, ou as artérias saem de áreas erradas." Outras paradas cardíacas são causadas por rupturas de placa mole nas artérias, diz Roberts. Ao contrário de placas duras conhecidas que entopem as artérias, a placa mole pode deixar artérias abertas o suficiente para passar despercebida. E a ruptura pode resultar na formação de coágulos sanguíneos e ataques cardíacos, diz Roberts. "Se alguém é habitualmente ativo, ele corre menos risco, mas a ruptura ainda pode acontecer", diz Roberts. "Se isso vai acontecer quando você não estiver correndo é bem difícil de prever. Nós tivemos uma morte na Twin Cities Marathon de um homem que antes havia feito um teste de esforço cardíaco algumas semanas antes, e o resultado tinha sido que estava bem".
A última morte em um evento de Detroit foi relatado em 1994, quando um homem de 42 anos morreu depois de correr mais de 32 quilómetros. As condições de corrida em Detroit não são culpadas por estas mortes diz Roberts, ele diz que às vezes as mortes ocorrem em aglomerados apenas por acaso. Mais de 19.000 pessoas estavam inscritos na corrida. As temperaturas foram baixas durante a corrida (9 graus no início), os corredores são mais propensos a ter problemas em clima quente. Embora os níveis de poluição do ar são geralmente maiores em grandes áreas urbanas, como Detroit, é geralmente seguro para correr em qualquer lugar a menos que haja um alerta de "smog", diz Roberts. Mesmo o trajeto incomum, passando por um túnel - não deveria ter feito a diferença, uma corrida de Hong Kong que os corredores passam por um túnel particularmente longo não tem taxas de mortalidade mais elevada do que qualquer outro, diz ele.

Como permanecer seguro durante uma corrida :
Mortes na Maratona levantam uma série de outros problemas de saúde relacionados com a corrida. Cuidados com a hidratação levou um corredor a morte em 2002 na Maratona de Boston, devido a uma super-hidratação um corredor morreu depois de beber muita água. Mortes na Maratona por excesso de hidratação são extremamente raras - houve apenas cinco na história, diz Roberts -, mas é possível. O excesso de ingestão de água, geralmente por atletas inexperientes, preocupados com a desidratação, pode provocar uma situação potencialmente fatal condição chamada hiponatremia, ou intoxicação por água. Os corredores devem ter por objectivo a beber água o suficiente para substituir apenas um pouco do que aquilo que perdeu com o suor , diz Roberts. Para aproximar montante , pese-se antes e depois de um longo percurso. A diferença é o quanto você perdeu durante esse período de tempo. "Para dizer:" Beba isto muito a cada hora "é realmente difícil", diz Roberts, "devido à grande variabilidade nas taxas de suor nas pessoas." Estar ciente de quanto água você bebe, mas não se abster de beber quando você está com sede só porque você está com medo do excesso de hidratação, diz ele. Além disso, antes das longas corridas, os corredores devem evitar consumir tudo o que poderia colocá-los em maior risco de insolação, o que inclui qualquer coisa que possa provocar desidratação, como o álcool, cafeína, e alimentos ricos em sódio, adverte Roberts. Alguns medicamentos também podem aumentar o risco, portanto verifique com um médico. Caso contrário, manter a sua medicação habitual e hábitos alimentares. Acima de tudo, verifique se você está apto para correr. Converse com seu médico sobre quaisquer fatores familiares de risco como a hipertensão ou diabetes, e verificar possíveis problemas, como colesterol alto, dizem especialistas. "Se há algo suspeito na sua história familiar, análise com o seu médico e vê se há qualquer cuidado que você precisa antes da corrida", diz Roberts. "Se você tem um histórico familiar saudável e você foi corre a bastante tempo, você deve estar bem. Se você eh sendentario, certifique-se de seu passado histórico pode te atrapalhar". Thompson recomenda que os corredores prestem atenção ao seu corpo durante o exercício e ter certeza de não ignorar os sintomas que poderiam ser um sinal de problemas subjacentes. "Cerca de 50 por cento das pessoas nos nossos estudos tiveram sintomas que optaram por ignorar", diz Thompson. Esses sintomas incluíam azia, sensação de aperto no peito, e aperto nos braços provocadas por exercícios - que podem ser sintomas de problemas cardíacos. Ainda assim, os especialistas concordam que é importante não se preocupar muito com ocorrências raras. "Se estamos preocupados com acontecimentos raros o tempo todo, nós não fariamos qualquer coisa", diz Roberts. Dependendo de sua saúde, talvez uma maratona completa não será o melhor, mas que não implicam, por qualquer meio de ter uma vida saudável com praticas de exercícios regulares.


As quatro condições principais que levam à morte de maratonistas são:


1. A doença cardíaca coronária ou morte - Os ataques cardíacos durante a corrida de longa distância são causadas pela combinação de esforço físico com prévia doença cardíaca. Este tipo de morte geralmente ocorre em um corredor de mais de 35 anos de idade. No longo prazo a correr o técnico Roy Benson aponta, "Correr não causa ataques cardíacos. Doença cardíaca provoca ataques cardíacos".


2. Os defeitos cardíacos ou morte cardíaca súbita - alguns corredores têm defeitos genéticos do coração diagnosticada. Um certo número de condições pode levar à falência súbita do coração, especialmente quando o coração é excessivamente requisitado durante uma Maratona.


3. Hiponatremia (intoxicação por água ) - Nos últimos anos, alguns corredores perceberam como é difícil de se manter hidratado e acabam exagerando na agua,o uso de bebidas esportivas e comprimidos de sal podem ajudar a evitar isso.


4. Doenças relacionadas ao calor - desidratação extrema é a mais comuns . Quando o corpo fica desidratado, é mais difícil para ele regular sua temperatura. E devido a insolação a temperatura corporal sobe, conduzindo a um possível coma induzido, então a morte.

3 comentários:

Jorge disse...

Realmente é uma pena o que aconteceu com esses corredores na Maratona de Detroit, parabéns pelas dicas postadas aqui.
Bom a alguns anos atrás saiu na midia que em todos os postos deveria beber água e assim eu fiz numa maratona que estava bem quente, faltando uns 5Km para terminar a maratona num instante vi que iria apagar eu parei imediatamente e sentei, muitos amigos que me viram tomaram um susto para eu não apagar comecei a dar alguns tapas na minha cara para não desmaiar e os amigos que passavam por mim perguntava o que estava acontecendo e dai eu explicava, pois como não era experiente em maratonas e estava começando, ao passar em todos os postos de água eu bebi muita água e como não sabia acabei pegando uma Hiponatremia a minha sorte foi que eu parei fiquei sentado por alguns minutos e não desmaiei e dai levantei e comecei a caminhar e quando vi que estava firme mesmo, terminei a maratona trotando, não foi um belo tempo fiz os 42km 195 metros em 3h 18 min, mais fiquei feliz em terminar e não ter acontecido nada comigo, graças à DEUS. A falta de experiência é fogo, ainda bem que aprendi, estou dizendo tudo isso aqui, caso algum corredor que está começando aprenda também.
Bom final de semana e boas corridas.

Um abraço,

Jorge Cerqueira
Ultramaratonista
www.jmaratona.blogspot.com

José Alberto disse...

Muito bom este artigo.

São coisas que quase todos nós que corremos já sabemos, mas com o tempo vamos esquecendo ou desprezando.

Por isso vale sempre a pena lembrar.

Continuação de boas corridas.

Abraço
José Alberto

Fábio Pio Dias disse...

Excelente artigo!

É por isto que irei fazer no próximo mês uma ecocardiografia/electrocardiograma e prova de esforço em tapete rolante, assim saberei os limites e capacidades e se tenho algum problema.
Mas também não sei como refere o post, prefiro morrer a correr a morrer no sofá!

Um abraço e fique bem!